Paróquia de São Vicente de Paulo

Solenidade da Santíssima Trindade


Celebramos, neste domingo, a solenidade da Santíssima Trindade, o Deus que nos envolve com ternura e que, no aconchego de seu amor, nos acolhe. Celebrar adorando é a melhor atitude para vivermos esta festa, pois, hoje, Deus nos quer falar a partir do mais intimo de seu ser. Se o próprio sol, que é criatura, não pode ser visto a olho nu, quanto mais Deus, que é criador, pode ser visto em sua totalidade. Na pessoa de Jesus e nas suas atitudes históricas concretas, podemos entender como é Deus, esta comunidade perfeita de amor.

A solenidade da Santíssima Trindade só entrou na liturgia romana em 1334. Com o Concílio Vaticano II, ela recebeu uma dimensão bíblica. Não é uma festa para desenvolver a doutrina sobre a Santíssima Trindade, mas um momento para as comunidades cristãs renovarem sua aliança com o Pai que nos criou e libertou, entregando-nos o dom da vida de Jesus Cristo, seu Filho, e o dom do amor do Espírito Santo.

Contemplar a Trindade é parar diante desse mistério de amor, mas é também mergulhar nele e deixar-se envolver por ele. O nosso Deus não é um, pois, sozinho, seria solidão. O nosso Deus também não é dois, pois assim seria separado, e Deus não quer separação. O nosso Deus é Trindade para significar a comunhão de três. Quando dizemos Trindade, queremos fazer a soma de 1+1+1 = 3. Pois a trindade não é matemática. Quando falamos Pai, filho e Espírito Santo nos referimos, cada vez, a um único Deus que vive, no relacionamento entre as três pessoas divinas, uma perfeita comunidade de amor. Com isso está claro que Deus é doação, é comunicação, e que ele está continuamente se comunicando. Na Trindade as pessoas se amam na medida perfeita, cada qual desenvolve a sua missão em comunhão total com o outro. Daí por que nós temos uma expressão grega chamada pericórese para designar o caráter de comunhão que vigora entre as pessoas divinas. Com o adjetivo grego pericorético significa dizer que cada pessoa vive da outra, com a outra, pela outra e para a outra pessoa. O Pai está sempre no filho, comunicando-lhe vida e amor. O filho está sempre no Pai conhecendo-o e reconhecendo-o amorosamente com o Pai. Pai e filho estão no Espirito Santo como expressão mútua de vida e amor. O Espirito Santo está no Filho e no Pai como fonte e manifestação da vida e do amor. No oposto à Trindade, nós temos o egoísmo, a tendência de esquecer os outros, esquecer-nos de Deus, construir ídolos. Nosso Deus, modelo de comunidade, exige que nós sejamos comunidade.

Celebremos com grande fervor o mistério central de nossa fé, o Deus que se revelou por amor a nós, enviando o seu filho. E seu filho nos enviando na força do Espírito Santo. É não nos esqueçamos do que diz a doutrina de nossa Igreja Católica, expressa no catecismo Nº 266 sobre a Trindade Santa : “ Veneramos o único Deus na Trindade, e a Trindade na Unidade, não confundindo as pessoas, nem separando a substância ; pois uma é a pessoa do Pai, outra a do filho, outra do Espírito Santo, igual à glória, coeterna com a majestade ”. Que a Santíssima Trindade nos inspire para que possamos viver aqui na terra em comunhão com todos os seres humanos.

Pe. Raimundo Neto
Pároco de São Vicente de Paulo

Mensagem

...Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento.

Este é o primeiro e grande mandamento.

E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo...

Eventos